Reprodução DefesaNet O presidente da Nuclebras Equipamentos Pesados S.A (NUCLEP), CA (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas, e o Gerente Geral de Fabricação e Supervisão Nível III, Cezar França, participaram no última quinta-feira (4), na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro, da cerimônia de entrega do Prêmio Honra ao Mérito Nuclear, promovido anualmente pela Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares (ABDAN). Cezar foi indicado pelo Presidente da NUCLEP, por sua dedicação e trabalho junto à empresa para o desenvolvimento do setor. O Engenheiro é o único no Brasil, certificado pela Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos como Nível III em Ensaios Não Destrutivos  para  construção, manutenção e recuperação de alguns dos equipamentos nucleares mais importantes e estratégicos às nossas Usinas. “Foi uma honra eu ter sido premiado. Eu não esperava. Me dedico à área há mais de quarenta anos e posso dizer que eu tenho uma experiência ímpar no segmento nuclear no Brasil. No meu currículo tem os principais componentes fabricados pela NUCLEP. Consigo lembrar cada equipamento e componente que conseguimos entregar aos nossos clientes. Cada equipamento é algo novo, um desafio. São totalmente diferentes, desde componentes de usinas nucleares a cascos de submarinos. Agradeço muito ao presidente CA (RM1) Seixas  pelo reconhecimento. Essa medalha consolida toda minha paixão e dedicação à NUCLEP e ao setor nuclear do Brasil”, disse Cezar. Ao todo, foram homenageadas cinco importantes personalidades da indústria, por suas contribuições ao desenvolvimento e expansão da tecnologia nuclear no país: - AE Marcos Sampaio Olsen, Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha; -…
A NUCLEP dá mais um passo à frente para se manter com eficiência no mercado de defesa, óleo e gás e nuclear. A empresa acaba de formar uma parceria inédita para viabilizar o fornecimento de operações de soldagem e, conectores de tubos de revestimentos de poços para a EXPRO no Brasil. Para o Presidente da Nuclep, Almirante Carlos Seixas, “este é o início de uma longa e promissora parceria, iniciada na OTC, em Houston, e que terá a sua estreia, com a soldagem pela NUCLEP para a EXPRO, de 273 conectores em até 144 tubos de 36” de diâmetro para as próximas operações offshore da empresa.” A Expro, com sede em Houston, no Texas, é uma das empresas internacionais de teste de poços mais experientes do mundo. Ela oferece aos seus clientes uma gama completa de sistemas móveis e serviços especializados, fornecendo dados de qualidade e eficiência operacional em locais de poços em terra e em águas profundas. Fornecem ainda sistemas globais e de gerenciamento de fluxo de poço para coletar dados valiosos de poços e reservatórios, buscando maior segurança do local do poço e atenção para evitar impacto ambiental, segundo a companhia
A NUCLEP dá mais um passo à frente para se manter com eficiência no mercado de defesa, óleo e gás e nuclear. A empresa acaba de formar uma parceria inédita para viabilizar o fornecimento de operações de soldagem e, conectores de tubos de revestimentos de poços para a EXPRO no Brasil. Para o Presidente da Nuclep, Almirante Carlos Seixas, “este é o início de uma longa e promissora parceria, iniciada na OTC, em Houston, e que terá a sua estreia, com a soldagem pela NUCLEP para a EXPRO, de 273 conectores em até 144 tubos de 36” de diâmetro para as próximas operações offshore da empresa.” A Expro, com sede em Houston, no Texas, é uma das empresas internacionais de teste de poços mais experientes do mundo. Ela oferece aos seus clientes uma gama completa de sistemas móveis e serviços especializados, fornecendo dados de qualidade e eficiência operacional em locais de poços em terra e em águas profundas. Fornecem ainda sistemas globais e de gerenciamento de fluxo de poço para coletar dados valiosos de poços e reservatórios, buscando maior segurança do local do poço e atenção para evitar impacto ambiental, segundo a companhia
Reprodução: Petronotícias O desenvolvimento dos submarinos em construção no Brasil, feitos pela Nuclep, tem atraído muito interesse pelo conhecimento no país. Agora, a empresa recebeu a visita da Escola Técnica do Arsenal de Marinha (ETAM), que oferece cursos com especialidades voltadas para estruturas navais e de metalurgia. A visita fez parte de uma estratégia de capacitação da mão de obra industrial da Marinha para enriquecer a formação para os alunos. O grupo gostou do que viu e ficou impressionado com a capacidade fabril diferenciada da empresa. Também observaram de perto partes da obra de fabricação pela NUCLEP do BLOCO 40, parte do protótipo do reator nuclear que está sendo desenvolvido no Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP). O Diretor Industrial, Alexandre Magalhães, e os Gerentes Gerais de Fabricação e Supervisão, Cezar França, e de Planejamento, Controle e Treinamento, Márcio Froufe e de Produção, Luiz Mario Alcantara, fizeram as honras da casa ao explicarem todos os detalhes dos processos de construção dentro da companhia. Pela Escola Técnica estavam 36 alunos, a coordenadora Catia de Oliveira Carvalho e o Diretor da ETAM, Sandro Melo Marques, que gostou do que viu, depois de conhecerem as instalações do Centro de Treinamento Técnico (CTT) e as duas fábricas. Ele disse que foi muito importante identificar ex-alunos da ETAM que hoje são funcionários da NUCLEP. “A sociedade brasileira precisa ter entendimento do que a NUCLEP representa no desenvolvimento na área do Ministério de Minas e Energia. Sentimos bastante satisfação, não só como militares, mas também como brasileiros”, afirmou.
Reprodução: PetroNotícias   No terceiro dia da 65ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) o Estande do Brasil foi bastante concorrido, em Viena.  Muitas visitas, muitas conversas, até mesmo pelo crescimento do mercado nuclear no Brasil, com  a confirmação das obras de Angra 3 e das boas perspectivas para a construção de um novo complexo nuclear. O Presidente da Nuclep, a maior caldeiraria pesada do país, Almirante Carlos Seixas. O Brasil está a cada ano mais respeitado e com grandes perspectivas no cenário energéticos internacional. “A CG-AIEA é um momento único para os países membros da Agência Internacional de Energia Atômica. A troca de experiências e conhecimentos, além da possibilidade de captação de novos negócios é fundamental para esse novo Brasil que, apesar de apresentar mais de 80% de sua matriz Limpa, trabalha intensamente para diversificar suas fontes e promover maior segurança energética.“ Nessa quarta-feira, (22) foi celebrada em nosso Estande, os 30 anos de fundação da The International Nuclear Society Council (INSC), organização formada por sociedades nucleares de todo o mundo. A solenidade teve a abertura conduzida pelo diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, e também pelo Engenheiro e membro titular da Canadian Nuclear Society, Peter Ozemoyah.
Reprodução: FullEnergy   Mais um dia de bons frutos através de encontros internacionais na 65ª Conferência Geral de Energia Atômica (AIEA) em Viena. O Estande Brasil, sempre movimentado, atraindo visitantes e despertando curiosidades. O Brasil está a cada ano mais respeitado, e com grandes perspectivas no cenário energéticos internacional. “A CG-AIEA é um momento único para os países membros da Agência Internacional de Energia Atômica. A troca de experiências e conhecimentos, além da possibilidade de captação de novos negócios é fundamental para esse novo Brasil que, apesar de apresentar mais de 80% de sua matriz Limpa, trabalha intensamente para diversificar suas fontes e promover maior segurança energética”, disse o CA (RM1) Seixas. Nesse terceiro dia de AIEA, o Estande Brasil continuou a ser o centro da atenções reunindo autoridades dos países membros da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Nessa quarta (22) foi celebrada em nosso Estande, os 30 anos de fundação da The International Nuclear Society Council (INSC), organização formada por sociedades nucleares de todo o mundo. A solenidade teve a abertura conduzida pelo diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, e também pelo Engenheiro e membro titular da Canadian Nuclear Society, Peter Ozemoyah. Nas diversas fotos, o presidente da NUCLEP, CA (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas, o seu Diretor Comercial, Nicola Neto, o presidente da INB, CMG (RM1- EN) Carlos Freire Moreira, a Sra. Sara Alshomali, Engenheira Senior da Emirates Nuclear Energy Corporation (ENEC), o Diretor Geral da Autoridade Federal de Regulamentação Nuclear dos Emirados Árabes Unidos (FANR), Christer Viktorsson, o Diretor Técnico…
Reprodução: DefesaNet Ratificando a sua qualidade e expertise no desenvolvimento, fabricação e instalação de componentes pesados para as áreas nuclear, offshore, naval e todo tipo de indústria; trocadores de calor, tanques metálicos, estruturas metálicas, estruturas metálicas para linhas de transmissão de energia, vasos de pressão, componentes para estrutura de contenção do vaso do reator, torres de processo e cascos resistentes de submarinos, a NUCLEP renovou essa semana, pelo 15º ano consecutivo sua certificação ISO. 9001 “Eu parabenizo todos os colaboradores que participaram da auditoria e participaram efetivamente da manutenção do sistema de qualidade da Nuclep. Mais uma vez passamos na auditoria externa de manutenção sem nenhuma não-conformidade”, disse Rodrigo Lopes Chaves, gerente de CSQ. Para Rodrigo, essa renovação constante confirma o trabalho árduo e contínuo da NUCLEP, na adoção de boas práticas de gestão. O gerente finalizou dizendo que “essa conquista representa um amadurecimento de gestão de uma nova Nuclep, proporcionando aumento na eficiência, redução de falhas e, o mais importante, a satisfação de nossos clientes”.
Reprodução: Defesa Aérea e Naval Como parte da comitiva brasileira liderada pelo Ministro de Minas e Energia, AE (RM1) Bento Albuquerque, na 65ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em Viena, na Áustria, a NUCLEP, representada pelo seu presidente, CA (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas e seu diretor Comercial, Nicola Neto, mais uma vez marca presença no mais importante encontro do setor nuclear no mundo. Sempre conduzida pelo Ministro de Minas e Energia, AE (RM1) Bento Albuquerque, a comitiva brasileira esse ano contou com as relevantes empresas e instituições responsáveis pelo Programa Nuclear Brasileiro. Além da NUCLEP, única empresa nacional capacitada à fabricação e manutenção dos equipamentos nucleares mais estratégicos do País, fortalecem com suas presenças à 65ª CG da AIEA, a nossa Marinha do Brasil, a Amazul Tecnologias de Defesa S.A, a Eletronuclear e a INB. Fazem parte ainda, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), Atech-Embraer e ABDAN, demonstrando a crescente relevância da dimensão empresarial e comercial do setor brasileiro. Na abertura da Conferência (20), conduzida pelo Diretor-Geral da AIEA, Rafael Grossi, foi ratificado o compromisso do governo brasileiro com a energia nuclear, como parte integral da estratégia nacional de desenvolvimento do País, garantindo tanto a segurança energética quanto a transição para um futuro de baixo carbono. O Ministro Bento indicou ainda, como prioridades do PNB, a conclusão da Usina Nuclear de Angra 3, a construção do nosso Reator Multipropósito Brasileiro (RMB) e a aquisição de capacidades tecnológicas em pequenos reatores modulares (SMRs). Do ponto…
Reprodução: Petronotícias Peça-chave na engrenagem do setor nuclear brasileiro, a Nuclep está marcando presença pelo terceiro ano seguido na Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em Viena, na Áustria. A caldeiraria está sendo representada pelo seu presidente, o almirante Carlos Henrique Silva Seixas e o diretor comercial Nicola Neto. Eles fazem parte da comitiva brasileira que está sendo liderada pelo Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. O técnico industrial Jairo Silva Bastos também faz parte do grupo da Nuclep presente no evento. “Sempre alinhados à meta do país em prover energia firme, segura e estratégica, a Nuclep se destaca cada dia mais com os projetos nucleares de importância ímpar para o Governo”, disse Carlos Henrique Seixas. “O Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica (Labgene), para o qual construímos o Bloco 40, se tornará no futuro um ponto de referência para novos projetos de reatores nucleares brasileiros, incluindo as unidades modulares, que poderão gerar eletricidade para localidades remotas e plataformas de petróleo”, acrescentou. A Nuclep é a única empresa nacional capacitada à fabricação e manutenção dos equipamentos nucleares mais estratégicos do país. Na última semana, a empresa anunciou que renovou pelo 15º ano consecutivo a sua certificação ISO. O feito ratifica a expertise da companhia no desenvolvimento, fabricação e instalação de componentes pesados para as áreas nuclear, offshore, naval e todo tipo de indústria. Além de representantes da Nuclep, a comitiva brasileira em Viena conta ainda com executivos e membros da Eletronuclear, da INB, da Atech-Embraer, da…
Reprodução: Petronotícias A Nuclep fez nesta semana uma nova e importante entrega para o projeto de desenvolvimento do Laboratório de Geração de Energia NucleoElétrica (LABGENE), localizado em Iperó (SP). O equipamento entregue foi um vaso de pressão do reator. A estrutura faz parte do contrato de fornecimento de seis equipamentos do Sistema de Resfriamento de Emergência do Labgene. O vaso entregue nesta semana foi o primeiro de dois Tanques de Inundação (VP5 e VP6) que serão fabricados pela Nuclep para o Labgene. Eles foram construídos em material inox e serão usados para inundar o interior do Bloco 40 do Labgene até certa altura para restabelecer as condições de retirada de calor do núcleo, em um eventual caso de acidente. Além desses equipamentos, a empresa também fabricou dois vasos acumuladores (VP3 e VP4) e dois trocadores de calor (TC1 e TC2). O Labgene, como se sabe, será o protótipo em tamanho real do primeiro Submarino de Propulsão Nuclear do Brasil. A Nuclep atua na construção do chamado Bloco 40, que é o reator do projeto.