REPRODUÇÃO: DefesaNet   A NUCLEP recebeu na quarta (24NOV2021), a visita das comitivas das autoridades do Programa de Submarinos da Marinha, compostas pelas: - Agência Naval de Segurança Nuclear e Qualidade (AgNSNQ); - Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP); - Comando da Força de Submarinos (ComForS), e pela, - Coordenadoria-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear (COGESN). Presentes ainda, autoridades da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e da Itaguaí Construções Navais (ICN).   As comitivas, acompanhados pelo presidente CA (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas, o Diretores Administrativo, CA (RM1) Oscar Moreira da Silva Filho, e Industrial, CMG/EN Alexandre Magalhães, visitaram a obra de construção pela NUCLEP, do Bloco 40, seção onde ficará o reator do protótipo, em terra e escala real, do primeiro Submarino de Propulsão Nuclear do Brasil (SN-BR). Lideravam os grupos: - Diretor da Divisão de Operações "C" do Departamento de Salvaguardas da AIEA, Haroldo Barroso Junior; - Diretor da AgNSNQ, CA (RM1-EN) Ruivo; - Assessor Técnico-Científico do CTMSP, Aldo Malavasi Filho; - Comandante. da Base de Submarinos da Ilha da Madeira, CMG De Luca;  - Diretor-Presidente da ICN, André Portalis, e o, - Coordenador-Geral da COGESN, VA (EN) Neves.
Reprodução: Jornal Atual O prefeito de Itaguaí, Rubem Vieira de Souza, visitou pela primeira vez, na última terça-feira (16), a Nuclebrás Equipamentos Pesados (Nuclep), empresa responsável por projetar, desenvolver, fabricar e comercializar equipamentos pesados para os setores nuclear, de defesa, óleo e gás, energia e outros segmentos. Recepcionados pelo presidente, Carlos Henrique Silva Seixas, e os diretores Oscar Moreira da Silva Filho (administrativo) e Alexandre Magalhães Fernandes (industrial), o prefeito e sua comitiva percorreram as instalações fabris e o Centro de Treinamento Técnico Industrial. Para o chefe do Executivo municipal, é fundamental reativar a parceria com a empresa: "O Centro de Treinamento da Nuclep tem uma tradição local de formar grandes profissionais, que não só se estabeleceram aqui na empresa, mas que tiveram oportunidades em outros lugares, pelo conhecimento e pela experiência adquiridos, comprovados por um currículo diferenciado com o selo de qualidade da Nuclep. É a minha primeira visita como prefeito eleito e a sensação é de muito orgulho por nossa parceria com este parque industrial tão importante para o Brasil, situado em nossa Itaguaí", declarou.
Reprodução Jornal da Cidade   A Folha de S. Paulo erra mais uma vez ao insinuar que o Ministro das Minas e Energia, Almirante Bento Albuquerque, teria sido conivente com a nomeação de quatro motoristas da diretoria da estatal NUCLEBRAS ao cargo de assistente de diretoria. De cara já existe incompatibilidade de datas. A nomeação se deu em 03/08/2016 – Michel Temer ainda era presidente interino – e o Almirante Bento só ingressaria no Conselho de Administração da Nuclebras em 22/12/2016, cerca de 100 dias depois da nomeação. De qualquer forma a nomeação foi feita pela Diretoria Executiva da época, sem que o Conselho Administrativo fosse consultado. Os assistentes comissionados foram exonerados em 31/05/2018, ainda no governo Michel Temer. Mal informada, a Folha de SP, afirma que a CGU teria indicado ‘o ressarcimento’ de um valor que passaria de um milhão de reais. Novamente, a Folha incorre em ‘fake news’, na medida que a Corregedoria da estatal concluiu pelo arquivamento da auditoria referente ao caso, dada a ausência de dano ao erário e de conduta dolosa, conclusão que contou com a chancela do Corregedor Setorial da própria CGU, exarada por meio do ofício nº 691/2019/CSCTIC/CORIN/CORIN/CRG-CGU, de 16/01/2019. PRESIDENTE DA NUCLEBRAS CORTOU R$ 100 MILHÕES DA FOLHA DE PAGAMENTO É muito cabotino da parte desse tradicional jornal paulista levantar suspeitas infundadas sobre má gestão de cargos e salários exatamente sobre um presidente de estatal que enxugou a folha de pagamento da empresa em mais de R$100 milhões. O Contra-Almirante, Carlos H.…
Reprodução Petronotícias  O setor nuclear brasileiro parece estar sob ataque de alguns setores da mídia formal brasileira. Nos últimos dias, um destaque incompreensível para uma live protagonizada por uma antropóloga da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Glaucia Silva, que atacou a energia nuclear completamente fora de contexto. Sem nenhum embasamento técnico-profissional, a antropóloga só demonstrou um organizado senso de desconhecimento sobre o que é verdadeiramente a energia nuclear.  Pareceu que o mais próximo que chegou deste tema tinha sido o interruptor de sua casa para acender uma lâmpada. Falou com uma convicção exemplar sobre um assunto que não conhece.  Há dois dias, e aí pareceu orquestrado, dois jornais importantes fizeram novos ataques. Um editorial do jornal O Globo sobre as usinas nucleares e uma reportagem da Folha de São Paulo sobre os salários de motoristas da Nuclep, a maior caldeiraria pesada do Brasil. O editorial demonstrou um profundo desconhecimento sobre a eficiência das nossas usinas e um distanciamento paralelo do que representa a energia nuclear no Brasil, seus avanços, sua capilaridade, seu emprego em defesa da saúde, do tratamento médico, dos cuidados com os alimentos, além das pesquisas e a realidade dos novos pequenos reatores modulares, que parece desenhar o futuro da indústria nuclear de geração de energia. A resposta ao jornal O Globo, feito pela empresa de energia Eletronuclear, foi clara, óbvia e deve ter constrangido o autor do texto do jornal, que parece ter ouvido alguma coisa, mas demonstrou não saber sobre o que falava. O jornal deveria dar o…
Reprodução: Petronotícias O Engenheiro Cezar França, que trabalha na Nuclebras Equipamentos Pesados (NUCLEP), único no Brasil certificado pela Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos (ASME) como Nível III em Ensaios Não Destrutivos  para  construção, manutenção e recuperação de alguns dos equipamentos nucleares mais importantes e estratégicos às nossas Usinas, foi escolhido pela ABDAN (Associação Brasileira de Desenvolvimento das Atividades Nucleares) para ser um dos cinco homenageados e receber a medalha de Honra ao Mérito Nuclear, em cerimônia de gala realizada na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro. A sua indicação foi um reconhecimento do Presidente da companhia, Almirante Carlos Seixas, que também participou da homenagem. Um dos destaques desse evento anual, Cézar agradeceu o recebimento da premiação: “Foi uma honra eu ter sido premiado. Eu não esperava. Eu me dedico à área há mais de quarenta anos e posso dizer que eu tenho uma experiência  especial no segmento nuclear no Brasil. No meu currículo tem os principais componentes fabricados pela NUCLEP. Consigo lembrar cada equipamento e componente que conseguimos entregar aos nossos clientes. Cada equipamento é algo novo, um desafio. São totalmente diferentes, desde componentes de usinas nucleares a cascos de submarinos. Agradeço muito ao presidente Seixas e a ABDAN pelo reconhecimento. Essa medalha consolida toda minha paixão e dedicação à NUCLEP e ao setor nuclear do Brasil”, disse. Ao todo, foram homenageadas cinco importantes personalidades da indústria por suas contribuições ao desenvolvimento e expansão da tecnologia nuclear no país: O Almirante Marcos Sampaio Olsen, Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha; o assessor…
Reprodução DefesaNet O presidente da Nuclebras Equipamentos Pesados S.A (NUCLEP), CA (RM1) Carlos Henrique Silva Seixas, e o Gerente Geral de Fabricação e Supervisão Nível III, Cezar França, participaram no última quinta-feira (4), na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro, da cerimônia de entrega do Prêmio Honra ao Mérito Nuclear, promovido anualmente pela Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares (ABDAN). Cezar foi indicado pelo Presidente da NUCLEP, por sua dedicação e trabalho junto à empresa para o desenvolvimento do setor. O Engenheiro é o único no Brasil, certificado pela Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos como Nível III em Ensaios Não Destrutivos  para  construção, manutenção e recuperação de alguns dos equipamentos nucleares mais importantes e estratégicos às nossas Usinas. “Foi uma honra eu ter sido premiado. Eu não esperava. Me dedico à área há mais de quarenta anos e posso dizer que eu tenho uma experiência ímpar no segmento nuclear no Brasil. No meu currículo tem os principais componentes fabricados pela NUCLEP. Consigo lembrar cada equipamento e componente que conseguimos entregar aos nossos clientes. Cada equipamento é algo novo, um desafio. São totalmente diferentes, desde componentes de usinas nucleares a cascos de submarinos. Agradeço muito ao presidente CA (RM1) Seixas  pelo reconhecimento. Essa medalha consolida toda minha paixão e dedicação à NUCLEP e ao setor nuclear do Brasil”, disse Cezar. Ao todo, foram homenageadas cinco importantes personalidades da indústria, por suas contribuições ao desenvolvimento e expansão da tecnologia nuclear no país: - AE Marcos Sampaio Olsen, Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha; -…
A NUCLEP dá mais um passo à frente para se manter com eficiência no mercado de defesa, óleo e gás e nuclear. A empresa acaba de formar uma parceria inédita para viabilizar o fornecimento de operações de soldagem e, conectores de tubos de revestimentos de poços para a EXPRO no Brasil. Para o Presidente da Nuclep, Almirante Carlos Seixas, “este é o início de uma longa e promissora parceria, iniciada na OTC, em Houston, e que terá a sua estreia, com a soldagem pela NUCLEP para a EXPRO, de 273 conectores em até 144 tubos de 36” de diâmetro para as próximas operações offshore da empresa.” A Expro, com sede em Houston, no Texas, é uma das empresas internacionais de teste de poços mais experientes do mundo. Ela oferece aos seus clientes uma gama completa de sistemas móveis e serviços especializados, fornecendo dados de qualidade e eficiência operacional em locais de poços em terra e em águas profundas. Fornecem ainda sistemas globais e de gerenciamento de fluxo de poço para coletar dados valiosos de poços e reservatórios, buscando maior segurança do local do poço e atenção para evitar impacto ambiental, segundo a companhia
A NUCLEP dá mais um passo à frente para se manter com eficiência no mercado de defesa, óleo e gás e nuclear. A empresa acaba de formar uma parceria inédita para viabilizar o fornecimento de operações de soldagem e, conectores de tubos de revestimentos de poços para a EXPRO no Brasil. Para o Presidente da Nuclep, Almirante Carlos Seixas, “este é o início de uma longa e promissora parceria, iniciada na OTC, em Houston, e que terá a sua estreia, com a soldagem pela NUCLEP para a EXPRO, de 273 conectores em até 144 tubos de 36” de diâmetro para as próximas operações offshore da empresa.” A Expro, com sede em Houston, no Texas, é uma das empresas internacionais de teste de poços mais experientes do mundo. Ela oferece aos seus clientes uma gama completa de sistemas móveis e serviços especializados, fornecendo dados de qualidade e eficiência operacional em locais de poços em terra e em águas profundas. Fornecem ainda sistemas globais e de gerenciamento de fluxo de poço para coletar dados valiosos de poços e reservatórios, buscando maior segurança do local do poço e atenção para evitar impacto ambiental, segundo a companhia
Reprodução: Petronotícias O desenvolvimento dos submarinos em construção no Brasil, feitos pela Nuclep, tem atraído muito interesse pelo conhecimento no país. Agora, a empresa recebeu a visita da Escola Técnica do Arsenal de Marinha (ETAM), que oferece cursos com especialidades voltadas para estruturas navais e de metalurgia. A visita fez parte de uma estratégia de capacitação da mão de obra industrial da Marinha para enriquecer a formação para os alunos. O grupo gostou do que viu e ficou impressionado com a capacidade fabril diferenciada da empresa. Também observaram de perto partes da obra de fabricação pela NUCLEP do BLOCO 40, parte do protótipo do reator nuclear que está sendo desenvolvido no Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP). O Diretor Industrial, Alexandre Magalhães, e os Gerentes Gerais de Fabricação e Supervisão, Cezar França, e de Planejamento, Controle e Treinamento, Márcio Froufe e de Produção, Luiz Mario Alcantara, fizeram as honras da casa ao explicarem todos os detalhes dos processos de construção dentro da companhia. Pela Escola Técnica estavam 36 alunos, a coordenadora Catia de Oliveira Carvalho e o Diretor da ETAM, Sandro Melo Marques, que gostou do que viu, depois de conhecerem as instalações do Centro de Treinamento Técnico (CTT) e as duas fábricas. Ele disse que foi muito importante identificar ex-alunos da ETAM que hoje são funcionários da NUCLEP. “A sociedade brasileira precisa ter entendimento do que a NUCLEP representa no desenvolvimento na área do Ministério de Minas e Energia. Sentimos bastante satisfação, não só como militares, mas também como brasileiros”, afirmou.
Reprodução: PetroNotícias   No terceiro dia da 65ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) o Estande do Brasil foi bastante concorrido, em Viena.  Muitas visitas, muitas conversas, até mesmo pelo crescimento do mercado nuclear no Brasil, com  a confirmação das obras de Angra 3 e das boas perspectivas para a construção de um novo complexo nuclear. O Presidente da Nuclep, a maior caldeiraria pesada do país, Almirante Carlos Seixas. O Brasil está a cada ano mais respeitado e com grandes perspectivas no cenário energéticos internacional. “A CG-AIEA é um momento único para os países membros da Agência Internacional de Energia Atômica. A troca de experiências e conhecimentos, além da possibilidade de captação de novos negócios é fundamental para esse novo Brasil que, apesar de apresentar mais de 80% de sua matriz Limpa, trabalha intensamente para diversificar suas fontes e promover maior segurança energética.“ Nessa quarta-feira, (22) foi celebrada em nosso Estande, os 30 anos de fundação da The International Nuclear Society Council (INSC), organização formada por sociedades nucleares de todo o mundo. A solenidade teve a abertura conduzida pelo diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, e também pelo Engenheiro e membro titular da Canadian Nuclear Society, Peter Ozemoyah.
Página 1 de 9