Quinta, 18 Novembro 2021 12:28

Folha tenta atacar a Marinha mas é desmentida, de novo!

Reprodução Jornal da Cidade
 
A Folha de S. Paulo erra mais uma vez ao insinuar que o Ministro das Minas e Energia, Almirante Bento Albuquerque, teria sido conivente com a nomeação de quatro motoristas da diretoria da estatal NUCLEBRAS ao cargo de assistente de diretoria.

De cara já existe incompatibilidade de datas. A nomeação se deu em 03/08/2016 – Michel Temer ainda era presidente interino – e o Almirante Bento só ingressaria no Conselho de Administração da Nuclebras em 22/12/2016, cerca de 100 dias depois da nomeação.

De qualquer forma a nomeação foi feita pela Diretoria Executiva da época, sem que o Conselho Administrativo fosse consultado. Os assistentes comissionados foram exonerados em 31/05/2018, ainda no governo Michel Temer.

Mal informada, a Folha de SP, afirma que a CGU teria indicado ‘o ressarcimento’ de um valor que passaria de um milhão de reais.
Novamente, a Folha incorre em ‘fake news’, na medida que a Corregedoria da estatal concluiu pelo arquivamento da auditoria referente ao caso, dada a ausência de dano ao erário e de conduta dolosa, conclusão que contou com a chancela do Corregedor Setorial da própria CGU, exarada por meio do ofício nº 691/2019/CSCTIC/CORIN/CORIN/CRG-CGU, de 16/01/2019.

PRESIDENTE DA NUCLEBRAS CORTOU R$ 100 MILHÕES DA FOLHA DE PAGAMENTO

É muito cabotino da parte desse tradicional jornal paulista levantar suspeitas infundadas sobre má gestão de cargos e salários exatamente sobre um presidente de estatal que enxugou a folha de pagamento da empresa em mais de R$100 milhões.

O Contra-Almirante, Carlos H. Seixas implantou um padrão de excelência inédito nas empresas estatais.

Por exemplo, o diretor comercial da Nuclebras foi contratado através de head-hunters e não da tradicional ‘indicação política’. O resultado foi imediato, a carteira de negócios da estatal pulou de zero para mais de R$ 200 milhões e por ser no Brasil, a única empresa nacional capacitada a fabricar e realizar e manutenção dos equipamentos estratégicos nucleares.

A Folha imputa ao Contra-almirante, Carlos Henrique Seixas, a nomeação de quatro comissionados quando o que aconteceu foi exatamente o oposto – assim que assumiu a presidência da empresa, uma das suas primeiras ações, foi a extinção de todos os cargos de assistentes ocupados pelos motoristas – o que de fato se consumou. E mais, o presidente da Nuclebras extinguiu 70% dos cargos comissionados. A redução na folha de pagamento geral (somados concursados e comissionados) foi de 30%. Em janeiro a Nuclebras inicia um PDV (Programa de Demissão Voluntária) o que deve poupar ainda mais o dinheiro do contribuinte.

É de se perguntar porque aquele que já foi o maior jornal do país, que testemunhou e divulgou nas suas manchetes corrupção na casa do bilhões de dólares, perde tempo com questões burocráticas de uma esquecida estatal?

Porque atacar as Forças Armadas é atacar o presidente Jair Bolsonaro e, como disse o comentarista político Paulo Figueiredo, o único critério nas redações hoje é: se pode causar dano ao presidente, dá manchete. Se não causa, nem publique. Nesse caso especifico eles tentam macular a imagem do ministro das Minas e Energia do governo federal, Bento de Albuquerque e do presidente da Nuclebras, Contra-Almirante Carlos H. Seixas.

Mas afinal quem é o Almirante Bento de Albuquerque? Militar de carreira na Marinha Brasileira nunca foi homem de gabinete. Cursou a Escola Naval, uma disputadíssima instituição de ensino superior que forma os oficiais iniciantes da Marinha. Foi comandante da Base de Submarinos Almirante Castro e Silva. Nos anos 1990 serviu nas Forças de Paz da ONU na violenta Guerra dos Balcãs, nos setores de Sarajevo e Bosnia-Herzegovina, sua experiência internacional o levou a participar dos acordos de parceria estratégica com a França no programa de desenvolvimento de Submarinos (Prosub).

O almirante é mais um dos integrantes do ‘ministério técnico’ que Jair Bolsonaro prometeu aos brasileiros. Anteriormente essa pasta era ocupada por personagens como Moreira Franco, o notório Edson Lobão (por duas vezes), o senador Eduardo Braga (MDB-AM) e até, pasmem, por Dilma Roussef.

É desse perfil, dessa época que a Folha de S.Paulo sente tanta saudades – talvez porque com essas figuras em cargos-chave a Folha ainda teria a relevância que já teve no passado.