Reprodução: Petronotícias. A NUCLEP passou pela auditoria realizada pela certificadora britânica LRQA, e conquistou por mais três anos o selo especial ASME III Edição 2021 (Survey) – Certificação para a área Nuclear. Com a revalidação do selo, a NUCLEP se mantém como uma das duas únicas empresas na América do Sul a ter esse reconhecimento pela American Society of Mechanical Engineers. A auditoria dessa vez foi feita de forma remota, o que representou grande desafio para a Gerência de Sistemas de Gestão de QSMS e Garantia da Qualidade que se superou na tecnologia ao apresentar os métodos e normas nas instalações fabris através de vídeos transmitidos ao vivo. A certificação qualifica a NUCLEP para desempenhar as seguintes modalidades: Fabricação de Componentes Nucleares (Selo NPT), Fabricação de Suportes para Aplicação Nuclear (Selo NS) e Montagem de Equipamentos para Aplicações Nucleares (Selo NA).  Para o Diretor Comercial Nicola Mirto Neto, a expertise, capacidade e habilidade diferenciadas dos funcionários da empresa se provam mais uma vez. “Vale ressaltar ainda que o único engenheiro certificado pela Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos como Nível III em Ensaios Não Destrutivos no país é da NUCLEP, o altamente qualificado Gerente Geral de Fabricação e Supervisão Nível III, Cézar França“, afirmou. O Gerente de Sistemas de Gestão de QSMS e Garantia da Qualidade, Rodrigo Lopes Chaves, comentou sobre a conquista:  “Mais uma vez a NUCLEP comprovou sua capacidade técnica junto ao ASME, sendo reconhecida e elogiada por toda a equipe da auditoria, sem nada fora das conformidades, repetindo…
Reprodução: Jornal Atual   Contrato prevê soldagem de até 273 conectores para plataformas de petróleo nacionais Nos últimos dias, a Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A. (NUCLEP) consolidou sua relevância no segmento de petróleo e gás. A empresa, situada em Itaguaí, realizou as quatro primeiras soldas dos conectores da Frank's International (empresa que dedica-se ao fornecimento de serviços tubulares para as indústrias de petróleo e gás). A parceria da Frank's com a NUCLEP teve início após assinatura de contrato, no final de 2021. O contrato com a Frank' s International é o primeiro da norte-americana com uma empresa brasileira e prevê o fornecimento de operações de soldagem de até 273 conectores para plataformas de petróleo nacionais. Devido à sua expertise na fabricação de equipamentos para a Petrobrás, a NUCLEP foi escolhida pela Frank's, que vislumbra uma parceria de longo prazo com a empresa brasileira.   GERAÇÃO DE EMPREGOS Jonathan Tophan é espanhol, mas atualmente mora em Itaguaí. Ele ocupa o cargo de engenheiro e gerente técnico da Frank's no Brasil. Para ele que realiza suas atividades todos os dias com os profissionais da NUCLEP, a parceria deve ser exaltada não apenas pela qualidade técnica, mas também pela capacidade de gerar empregos. "O próximo lote de tubos que entregaremos será imenso e, ao invés de seis meses de fabricação, serão três anos de trabalho contínuo no piso fabril da NUCLEP. Esse é o tempo necessário para que possamos atender o nosso cliente. À medida que isso acontece, nossa relação com a NUCLEP se fortalece,…
Reprodução: PetroNotícias Além dos importantes projetos nos segmentos de nuclear e defesa, a Nuclep também tem uma atenção especial com o segmento de óleo e gás. Nos últimos dias, a caldeiraria realizou a solda dos primeiros conectores dentro do escopo do contrato com a americana Frank’s International. Ao todo, o acordo entre as duas empresas prevê o fornecimento de operações de soldagem de até 273 conectores para plataformas de petróleo do Brasil. Para lembrar, a Nuclep e a Frank’s International assinaram o contrato no final de 2021. Até agora, a Nuclep realizou as quatro primeiras soldas dos conectores responsáveis pela integridade do poço de petróleo através da injeção de concreto, ao longo do processo de perfuração. A Nuclep foi escolhida pela companhia americana devido ao seu histórico bem sucedido de fabricação de equipamentos para a Petrobrás. “O próximo lote de tubos que entregaremos será imenso e ao invés de seis meses de fabricação, serão três anos de trabalho contínuo no piso fabril da Nuclep. Esse é o tempo necessário para que possamos atender o nosso cliente e à medida que isso acontece, nossa relação com a Nuclep se fortalece, tornando esse o nosso principal laço no Brasil”, disse o engenheiro e Gerente Técnico da Frank’s no Brasil, Jonathan Topham (foto à direita). A Nuclep tem se capacitado para atender às demandas do mercado de óleo e gás, com a realização de simulados e treinamentos, na presença do cliente, além da qualificação de seus soldadores. “O Brasil ainda tem muito o que instalar, muito…
Reprodução: Defesa em Foco Após assinar contrato com a norte-americana Frank ‘s International no final de 2021, a NUCLEP realizou nos últimos dias, as quatro primeiras soldas dos conectores responsáveis à integridade do poço de petróleo através da injeção de concreto, ao longo do processo de perfuração. O contrato com a Frank’ s International é o primeiro da norte-americana com uma empresa brasileira, e prevê o fornecimento de operações de soldagem de até 273 conectores para plataformas de petróleo nacionais. Devido à sua expertise na fabricação de equipamentos para a Petrobras, a NUCLEP foi escolhida pela Frank´s que vislumbra uma parceria de longo prazo com a empresa brasileira. Residindo em Itaguaí e trabalhando diariamente no projeto com os profissionais da NUCLEP, o espanhol Jonhathan Topham, engenheiro e Gerente Técnico da Frank´s no Brasil, enalteceu a parceria. “O próximo lote de tubos que entregaremos será imenso e ao invés de seis meses de fabricação, serão três anos de trabalho contínuo no piso fabril da NUCLEP. Esse é o tempo necessário para que possamos atender o nosso cliente e à medida que isso acontece, nossa relação com a NUCLEP se fortalece, tornando esse o nosso principal laço no Brasil”, disse Topham. Com a perspectiva de novos contratos, a NUCLEP tem se capacitado para atender as demandas do mercado de Óleo e Gás. Com a realização de simulados e treinamentos, na presença do cliente, além da qualificação de seus soldadores. “Somos pioneiros da construção de blocos semissubmersíveis para a Petrobrás. Ano passado entregamos…
Reprodução: PetroNotícias A Marinha do  Brasil está acompanhando bem de perto o andamento das obras de seus submarinos.  O Almirante de Esquadra Petrônio Augusto Siqueira de Aguiar e o Capitão de Corveta Ricardo Corrêa Peixoto, da Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha e o Coordenador-Geral do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear, Vice-Almirante Sidney dos Santos Neves, estiveram na sede da NUCLEP, em Itaguaí, no Rio de Janeiro, para ver de perto a evolução dos trabalhos. A equipe da Marinha esteve com o Almirante Carlos Seixas, Presidente da empresa, além do Diretor Comercial, Nicola Neto, e o Diretor Industrial, Alexandre Magalhães. O encontro, que começou com uma reunião no auditório da presidência, tratou sobre as questões de produção e entrega das peças do futuro Submarino de Propulsão Nuclear. Depois, os oficiais visitaram as instalações fabris e o Terminal Portuário Privativo da NUCLEP, onde viram o resultado dos investimentos e reformas realizadas em toda infraestrutura do Terminal. O Almirante Petrônio Aguiar, disse: “A minha visita hoje à NUCLEP foi de fundamental importância, tendo em vista que é uma das principais empresas que nos apoia no Programa de Submarinos e no Programa Nuclear da Marinha. Aliás, a NUCLEP foi a escolhida como minha primeira visita, pois temos plena consciência que é a única empresa capaz de construir os equipamentos e sistemas para os nossos projetos mais estratégicos”. Para lembrar, o Projeto do primeiro Submarino com Propulsão Nuclear Brasileiro (SN-BR) teve início em julho de 2012, no Escritório Técnico de Projeto da COGESN, localizado no complexo do Centro Tecnológico da Marinha em São…
Reprodução: Jornal Atual Junto à Itaguai Construções Navais (ICN), a Nuclebrás Equipamentos Pesados (Nuclep) compõe em Itaguai, na Ilha da Madeira, um dos mais importantes complexos industriais do estado do Rio de Janeiro e - por que não dizer - do país. Em dificuldades financeiras há alquns anos, a estatal é uma das que integra uma lista de futuras privatizações na mira do governo federal, mas há quem concorde e quem reclame. Enquanto esse processo não ata nem desata, novos rumos já tomaram forma na Nuclep. A fim de sair do vermelho, em março do ano passado a estatal anunciou que decidiu investir na produção de torres de transmissão para diversificar suas atividades. Parece que o movimento der certo, porque na última sexta-feira (14) a empresa anunciou um superávit de R$ 105 mil. FATURAMENTO E OTIMISMO Segundo o informe, a empresa virou o ano com cerca de R$ 7,2 milhões em caixa e por volta de R$ 7 milhões em restos a pagar não processados. O faturamento da empresa em 2021 foi em torno de R$ 37,8 milhões com um viés de superávit, pela primeira vez na história da empresa. "Mesmo com os desafios impostos pela pandemia em 2021, o resultado orçamentário deixou evidente o esforço dessa gestão. Todas as nossas despesas e investimentos foram executados conforme o planejamento. Encerramos a execução junto ao Ministério de Minas e Energia ratificando a integração e sinergia de todos os setores da Nuclep por um 2022 ainda mais bem sucedido", destacou o Gerente…
Reprodução: Defesa Aérea e Naval No dia 30 de dezembro de 2021, a Gerência Geral de Planejamento da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A (NUCLEP) encerrou suas atividades orçamentárias de 2021. A empresa virou o ano com cerca de R$ 7,2 milhões em caixa e por volta de R$ 7 milhões em restos a pagar não processados. O faturamento da empresa em 2021 foi em torno de R$ 37,8 milhões com um viés de superávit, pela primeira vez na história da empresa, cerca de R$ 105 mil. “Mesmo com os desafios impostos pela pandemia em 2021, o resultado orçamentário deixou evidente o esforço dessa gestão e de todos por uma NUCLEP em ascensão. Todas as nossas despesas e investimentos foram executadas, conforme planejamento. Encerramos a execução junto ao Ministério de Minas e Energia ratificando a integração e sinergia de todos os setores da NUCLEP por um 2022 ainda mais bem sucedido.” destacou o Gerente Geral de Planejamento e Finanças, CMG (RM1) Genildo Rodrigues de Araújo.
Reprodução: Poder Naval Em ano desafiador de pandemia, Nuclep reduz custos e surpreende com maior superávit de sua história No dia 30 de dezembro de 2021, a Gerência Geral de Planejamento da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A (NUCLEP) encerrou suas atividades orçamentárias de 2021. A empresa virou o ano com cerca de R$ 7,2 milhões em caixa e por volta de R$ 7 milhões em restos a pagar não processados. O faturamento da empresa em 2021 foi em torno de R$ 37,8 milhões com um viés de superávit, pela primeira vez na história da empresa, cerca de R$ 105 mil. “Mesmo com os desafios impostos pela pandemia em 2021, o resultado orçamentário deixou evidente o esforço dessa gestão e de todos por uma NUCLEP em ascensão. Todas as nossas despesas e investimentos foram executadas, conforme planejamento. Encerramos a execução junto ao Ministério de Minas e Energia ratificando a integração e sinergia de todos os setores da NUCLEP por um 2022 ainda mais bem sucedido.” destacou o Gerente Geral de Planejamento e Finanças, CMG (RM1) Genildo Rodrigues de Araújo.
Reprodução: Petronotícias A Nuclebrás Equipamentos Pesados (NUCLEP) encerrou o ano de 2021 com bons motivos para comemorar. A empresa encerrou suas atividades orçamentárias do período com R$ 7,2 milhões. O faturamento da companhia no ano foi de R$ 37,8 milhões com um viés de superávit, pela primeira vez na história da Nuclep, de cerca de R$ 105 mil. “Mesmo com os desafios impostos pela pandemia em 2021, o resultado orçamentário deixou evidente o esforço dessa gestão e de todos por uma NUCLEP em ascensão”, disse o Gerente Geral de Planejamento e Finanças, Genildo Rodrigues de Araújo. O executivo disse ainda que todas as despesas e investimentos da companhia foram executados, conforme planejamento. “Encerramos a execução junto ao Ministério de Minas e Energia ratificando a integração e sinergia de todos os setores da Nuclep por um 2022 ainda mais bem sucedido”, finalizou. Em entrevista recente ao Petronotícias, o presidente da Nuclep, Carlos Seixas, também se mostrou otimista em relação a este novo ano em termos de negócios. “As perspectivas para 2022, no meu entendimento, são excelentes.  Continuamos a fabricar para o Programa de Submarinos da Marinha, a seção chamada de BLOCO 40, para o protótipo do primeiro Submarino de Propulsão Nuclear do Brasil (SN-BR)”, disse. Ele completou ainda dizendo que a Nuclep espera continuar a evoluir no mercado energético, tanto no segmento de transmissão de energia quanto na área nuclear. “Como única empresa nacional capacitada a fabricação e manutenção de equipamentos nucleares no Brasil, temos uma perspectiva atraente e robusta, de assinarmos dois contratos…
Reprodução: Defesa em Foco No dia 30 de dezembro de 2021, a Gerência Geral de Planejamento da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A (NUCLEP) encerrou suas atividades orçamentárias de 2021. A empresa virou o ano com cerca de R$ 7,2 milhões em caixa e por volta de R$ 7 milhões em restos a pagar não processados. O faturamento da empresa em 2021 foi em torno de R$ 37,8 milhões com um viés de superávit, pela primeira vez na história da empresa, cerca de R$ 105 mil. “Mesmo com os desafios impostos pela pandemia em 2021, o resultado orçamentário deixou evidente o esforço dessa gestão e de todos por uma NUCLEP em ascensão. Praticamente todas as nossas despesas em dezembro, que seriam pagas em janeiro de 2022, foram pagas em 2021. Encerramos a execução junto ao Ministério de Minas e Energia ratificando a integração e sinergia de todos os setores da NUCLEP por um 2022 ainda mais bem sucedido.” destacou o Gerente Geral de Planejamento e Finanças, CMG (RM1) Genildo Rodrigues de Araújo.
Página 1 de 12