NUCLEP encerra com sucesso participação na 63ª Conferência Geral da AIEA

Em seu terceiro ano consecutivo na Comitiva Brasil da Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a NUCLEP encerra hoje (20/9) mais uma participação de sucesso no maior encontro do setor nuclear no mundo.
 
Enquanto o presidente da NUCLEP, Contra Almirante Carlos Henrique Silva Seixas, junto aos presidentes das empresas, instituições e autarquias nucleares mais importantes no país – Marinha do Brasil; NUCLEP; AMAZUL; INB; Eletronuclear; e CNEN, acompanhou a programação organizada pelo Itamaraty e o Ministério de Minas e Energia em apresentações oficiais e reuniões com comitivas de Estados-Membros da AIEA e de organizações internacionais, nossos diretores Industrial, Comte. Affonso Alves (CMG/EN), e Comercial, Nicola Neto, se dividiam em missões direcionadas às suas áreas.
 
Embora a Conferência tenha o maior foco no debate e manutenção aos 137 países membros da promoção do uso pacífico da energia nuclear,  é também um importante foro para estreitar laços com outros atores e empresas privadas da área nuclear.
 
E foi com esse desígnio que o Diretor Comercial, Nicola Neto, durante os cinco dias de AIEA, acompanhado quase sempre pelo seu Gerente de Vendas, André Abrantes,dividiu-se entre apresentar o Estande Brasil aos nossos visitantes e também circular e apresentar a NUCLEP à potenciais parceiros.
 
Já o Diretor Industrial, quando não na companhia do seu Técnico em Métodos e Processos, Luiz Carlos Chaves - que se dedicou ao Estande Brasil à recepcionar os visitantes e explicar sobre a NUCLEP - cumpriu parte dos chamados ‘Side Events’. Essa programação é a oficial da Conferência e possibilitou ao Comte. Affonso interagir com as mais novas técnicas e recursos do setor. Uma imersão industrial no que há de mais moderno para o mundo nuclear.
 
Em uma dessas agendas ele visitou o Laboratório de Análise de Salvaguardas da AIEA, onde são realizadas as atividades para verificar se um Estado estaria violando seus compromissos internacionais de não desenvolver programas de armas nucleares (foto). 
 
Em 2019, o estande Brasil surpreendeu com uma área em comum à Argentina, demonstrando a parceria estratégica entre os dois países no setor nuclear, já que ambos desenvolvem projetos complementares de Pequenos Reatores Modulares. 
Para o presidente da NUCLEP, C. Alte Seixas, a participação do Brasil em 2019 foi diferenciada e destacou a valorização e expansão do setor nuclear nacional aos olhos da AIEA.
 
“A 63ª Conferência da AIEA acontece em um momento especial e diferenciado para o Brasil. O ministro de Minas e Energia, Alte. de Esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, ressaltou a todo momento que setor nuclear é um pilar único e insubstituível da estratégia nacional para o desenvolvimento sustentável, e garantiu que o Brasil continuará a investir em energia nuclear. Grande participação do Brasil e bons frutos à nossa NUCLEP, que tem tudo para continuar como ícone nacional na construção desse futuro”, finalizou.